SINTRA O Tempo em Sintra

No Records Found

Sorry, no records were found. Please adjust your search criteria and try again.

Google Map Not Loaded

Sorry, unable to load Google Maps API.

As Categorias

Os Destaques

  • DESTAQUE
    • Alojamento Villas de Cintra

    Villas de Cintra

    Destaque

Os Sítios de Sintra

    • Restaurante Incomum

    Restaurante Incomum

    • Palácio Nacional de Sintra

    Palácio Nacional de Sintra

    • Restaurante Café Paris

    Restaurante Café Paris

    • Restaurante O Apeadeiro

    Restaurante O Apeadeiro

A História de Sintra

  • Em toda a terra portuguesa, em toda a terra da Europa, Sintra surge como um dos mais belos e raros lugares que a invenção prodigiosa da natureza logrou criar", escreveu o poeta Afonso Lopes Vieira. Sintra é, sem dúvida, um dos paraísos de Portugal, tendo sido declarado pela UNESCO, em 1995, Património Mundial , no âmbito da categoria Paisagem Cultural.
  • O seu nome deriva da palavra cynthia, símbolo da lua na mitologia céltica.
  • Os romanos chamavam-lhe Mons Lunae, o monte da lua, e aí eram feitos sacrifícios em sua honra.
  • Essa carga mística, esse estigma com contornos quase sobre-naturais mantém-se até hoje.
  • Sintra é anualmente visitada por muitos turistas atraídos pelas belezas naturais, pelos monumentos e pela história da vila e, ao mesmo tempo, para aproveitarem as diferentes praias das redondezas.
  • Envolta numa neblina característica, é na Serra de Sintra que podemos encontrar o Castelo dos Mouros, construído durante o período de dominação árabe, o Palácio da Pena, o Convento dos Capuchos, o Palácio Nacional de Sintra e o Palácio e Jardins exóticos de Monserrate.
  • Nos seus três Palácios Nacionais - Vila, Pena e Queluz - e na série de Museus Municipais, admira-se um importante espólio histórico- artístico.
  • Desde tempos remotos, que a atmosfera poética e romântica de Sintra atrai numerosos artistas humanistas.
  • O seu prestígio ficou registado nas quintas de recreio em redor da Vila e nos ideais românticos que se traduzem na remodelação ou construção de quintas e palacetes.
  • Na segunda metade do século XIX, Sintra adquiriu um estatuto de vila burguesa essencialmente consagrada ao prazer e ao ócio, constituindo-se então vários hotéis e pensões imortalizados através da pena de afamados escritores da época.
  • Simultaneamente, na sua periferia instala-se gente de grandes recursos económicos, trazendo novidades arquitectónicas, sobretudo na moda dos revivalismos e do ecletismo, que influenciaram a arquitectura vernácula.
  • Entre as novidades, destacam-se os chalets, que inclusive se ergueram em espaço urbano.
  • Construída numa zona de maior declive, no sopé da Serra, a "Vila Velha" desenvolve-se entre o Palácio Nacional, antigo Paço Real, e a própria Serra.
  • No núcleo mais antigo do Centro Histórico, de assentamento medieval, multiplicam-se.
  • As amplas propriedades, isoladas pelo arvoredo e por muros cobertos de musgo e fetos, que a sombra e o clima húmido favorecem.
  • Esta vegetação faz parte integrante da imagem e da especificidade do Centro Histórico de Sintra.
  • As carruagens puxadas por cavalos, que operam entre a Vila e a Serra, são uma óptima forma de conhecer Sintra, entre o frondoso arvoredo, ao «glorioso paraíso» nas palavras de Lord Byron.
  • As partidas e chegadas realizam-se no largo fronteiro ao Palácio da Vila.
  • As praias que se destacam num raio de 8 a 20km são a Praia Samarra, a Praia da Adraga, a Praia das Maçãs, a Praia das Azenhas do Mar, a Praia do Magoito, a Praia da Aguda e a conhecida Praia Grande.
  • Sintra orgulha-se das suas especialidades gastronómicas, como os pasteis regionais "travesseiros" o Cabrito assado, as famosas queijadas de Sintra, os Pastéis da Pena, as Nozes de Galamares e os Fôfos de Belas.
  • E ainda o vinho da Região demarcada de Colares (Adega Regional de Colares).